Sete dias com Marilyn


Existem milhares de teorias sobre a vida e morte de Norma Jeane Mortenson(nome de batismo de Marilyn Monroe), desde sua infância e adolescência difíceis, passando por lares adotivos, sofrendo diversos tipos de abusos, o início da carreira, a fama de "loira burra"(que a levou ao estrelato, mas da qual ela tentava se desvencilhar), até os problemas psicológicos e excesso de remédios... eu poderia passar horas escrevendo sobre ela, mas hoje, minha postagem é sobre um filme que assisti recentemente e mostra Marilyn durante as gravações de um filme, sob os olhos do jovem Colin Clark: "Sete dias com Marilyn"
Me encantei com esse filme, como já era de se esperar... a caracterização ficou impecável, Michelle Willians conseguiu até nos passar aquele ar inocente e ao mesmo tempo provocador que a Marilyn tinha...


Sinopse:
No início do verão de 1956, Colin Clark(Eddie Redmayne), com 23 anos, recém formado e determinado a fazer sucesso na indústria cinematográfica, vai trabalhar como assistente na produção do filme “The Prince and the Showgirl”. Ele e Marilyn(Michelle Willians), se torman amigos e tem um rápido relacionamento. O filme mostra a fragilidade, o charme inexplicável de Marilyn, e a dificuldade em separar a "personagem" da vida real, mas sem se aprofundar muito no assunto, já que a história é contada por Colin, que tinha acabado de conhecê-la.


Quase 40 anos após estes acontecimentos, Colin Clark publicou "The Prince, the Showgirl and Me"(O príncipe, a corista e eu), o seu relato dos acontecimentos que ocorreram durante a rodagem daquele filme. Mas deste relato há uma semana que não aparece mencionada. Anos depois, essa semana é finalmente revelada no livro “My Week With Marilyn”(Minha semana com Marilyn), no qual este filme se baseia.


Recomendo o filme... e fiquei bem curiosa para ler os livros... 
Outra dica legal é assistir o documentário Love, Marilyn: que foi feito a partir de anotações pessoais da diva, lidas por personalidades do cinema, e mostra uma Marilyn sonhadora e por vezes angustiada, que os fãs não conheciam.
Bjussss

Tenha vários sapatos em um só


Este não é o primeiro sapato que utiliza o recuso de encaixes, mas certamente é um dos mais 
criativos... a designer canadense radicada em Paris Tanya Heath, criou um sapato em que o salto pode ser trocado, variando não só a altura, mas também o estilo. O mesmo sapato vai da sapatilha até o stiletto simplesmente mudando-se o salto. Ao invés de sair de casa calçando um sapatilha e levar na bolsa o scarpin que será usado na reunião ou à noite, é só levar os saltos na bolsa. 

Os sapatos ainda não são vendidos no Brasil e o preço também não é amigável... para conhecer os modelos e saber de outras informações, clique aqui...

Esse outro modelo, criado pela designer israelense Daniela Bekerman, o Ze o Ze(que se traduz em "este ou este" em hebraico), oferece cerca de cinco tipos de saltos que mudam a aparência do sapato para cada ocasião. 

A má notícia é que a criação da designer ainda é um sapato-conceito, não éstá a venda. Saiba mais sobre ele aqui...
Aqui no Brasil, há um tempo atrás, a Dakota lançou o salto Troca-Troca. Nesse modelo, o salto não é trocado, apenas a capa, e cada sapato vem com até três opções.

 
 Não sei se ele ainda é produzido, já que não encontrei nenhuma referência sobre isso.


Logo no início do blog postei um sapato de salto alto que se transformava em sapatilha, criado para que as mulheres pudessem dirigir sem ter que trocar de sapato veja aqui... 
Adoro essas inovações... e vocês?!
Bjussss

Cirurgia Cinderela: você teria coragem de fazer uma cirurgia para diminuir seus pés?


Parece bizarro, mas é verdade: muitas mulheres estão se submetendo a cirurgias estéticas nos pés.
Trata-se de uma série de procedimentos que alteram a forma e o tamanho dos pés, com o objetivo de deixá-los mais adequados aos padrões estéticos.



Cirurgiões ortopédicos não recomendam operações desse tipo, porém, elas estão se tornando cada vez mais populares nos Estados Unidos e Grã-Bretanha. Acredite se quiser, mas um dos principais motivos que levou a maioria dessas mulheres a recorrer a cirurgia foi a falta de opções de calçados com numerações acima de 37.

Antes.

Depois.

A cirurgia Cinderela, que já virou moda lá fora, vem ganhando espaço aqui no Brasil, o procedimento custa em média 14 mil reais.

Mas todo cuidado é pouco: a cirurgia pode ocasionar complicações graves, dores permanentes e movimento articular restrito. Como no caso da imagem acima, a dona desses pés não pode mais usar salto alto, pois seus dedos não se dobram...

Teriam coragem?!
Eu não...
Bjussss